Perfil – Giuseppe Oristanio

Com mais de 30 anos de carreira televisiva, o ator Giuseppe Oristanio é descendente de italianos. Natural de São Paulo e nascido em 15 de outubro de 1958, o pai de quatro filhos começou no teatro amador nos anos 70. Na TV, estreou em “Como Salvar Meu Casamento”, última novela da Tupi, em 79. Um ano depois, chegou à Bandeirantes no sucesso “Os Imigrantes”. Já em 82, vive o André de “Ninho da Serpente”, na mesma emissora.

No SBT, participa em 1985, de “Jogo do Amor”. A estreia na Globo viria em “Vida Nova”, trama das 18h, de Benedito Ruy Barbosa, no papel de Bruno. No ano seguinte, vai para a Manchete e atua em quatro produções consecutivas; entre elas, “Kananga do Japão” e “A História de Ana Raio & Zé Trovão”. Regressa à Globo em 93 para viver o Maxwell de “Fera Ferida”.

Três anos se passam e o ator vive o professor de Literatura Lancelotti de “Colégio Brasil”, no SBT. Ainda em 96, dá vida a Pedro em “Dona Anja”. A estreia na Record acontece na minissérie “A História de Ester”, de 98, no papel do rei Assuero. Posteriormente, intercala trabalhos na Band, Record, Globo e SBT em novelas como “Serras Azuis”, “Tiro & Queda”, “Da Cor do Pecado” e “Cristal”.

O retorno à Record ocorre em 2007 na novela “Luz do Sol”, vivendo o Freddy. Em 2010, participa do ‘remake’ de “A História de Ester”, como o Joel, e de “Ribeirão do Tempo”. Dois anos se passam e o ator é visto em “Fora de Controle” e “Máscaras”, onde vive o Pulga. Em 2013, atua em “Dona Xepa”, como o político Feliciano, e no especial “O Amor e a Morte”. No ano seguinte, participa de um dos episódios de “Milagres de Jesus”. E em 2015, de “Os Dez Mandamentos”.

Pouca gente sabe, mas o ex-aluno do Teatro Brasileiro de Comédia chegou a cursar Jornalismo, mas abandonou a faculdade. Giuseppe tem ainda passagens pelo teatro, em peças como “Qualquer gato vira-lata tem uma vida sexual mais sadia que a nossa” e “Maracutaias”, além de “Doidas e santas” e “A mulher do candidato”.

  • 23/06/2012
  • Administração

Veja mais

Deixe seu comentário

  • josenildo ferreira de souza

    Eu não pago de jeito nenhum por canais abertos! se as operadoras quiserem pagar a eles que criem um pacote a la carte assim cada assinante escolhe se querem ou não. fica a escolha dos usuários eu não pago e não aceito as operadoras pagarem e cobrarem de nós, afinal canais abertos são de cortesia pois podem ser assistidos por qualquer aparelho transmissor uhf gratuitamente. SBT, Record e RedeTV que criem conteúdos extras para os assinantes pagos se quiserem vender seu peixe.

  • josenildo ferreira de souza

    A Globo e a Band possuem canais extras que justifica elas ganharem com a tv paga. a globo tem sport tv, viva,gnt,megapix,telecine, rede globosat que transmite canais como universal channel e etc. a Band tem a band news,terra viva, band sports e sexprivé.

    se as operadoras cederem vão abrir precedentes para todos canais abertos retransmitidos quererem os mesmos direitos. e quem vai pagar o pato somos nós assinantes