“Pecado Mortal” deixa saudade com uma trama de altos e baixos

Luiz Guilherme é o bicheiro Michelle

Luiz Guilherme é o bicheiro Michelle

Após mais de 30 anos de Globo, Carlos Lombardi deixou a emissora e assinou, na Record, Pecado Mortal, que chegou ao fim ontem. O folhetim que se passou nos anos 70 teve muitos altos e baixos – a maioria destes fora da telinha. O ‘leque’ da história demorou muito para abrir e só depois de várias semanas que o público soube que Carlão era, na verdade, Marco Antonio (Fernando Pavão), o filho perdido de Michelle (Luiz Guilherme). Algo parecido já havia ocorrido com Máscaras.

Ao longo de oito meses, Pecado Mortal sofreu ainda com a saída de Alexandre Avancini, que irá dirigir “Os 10 Mandamentos”, inicialmente prevista para este ano e, agora, adiada para 2015; com a desistência de Mel Lisboa; e com a saúde de Betty Lago, que ainda faz tratamento de câncer. O texto rápido, com tiradas inteligente e diálogos recheados de conotações sexuais pode ter afastado o público mais conservador. Bem como as várias sequências de tiroteios e as idas e vindas de alguns personagens, especialmente Carlão, ao hospital e à delegacia.

montagem a partir de fotos de divulgação/Record

Das Dores (Denise Del Vecchio) e Paulo (Claudio Heinrich)

Outro erro foi o abandono de algumas histórias ao longo da história. Marcinha (Mel Lisboa) ficou apagada demais e nem teve tempo de se tornar uma prostituta de luxo; Stella (Betty Lago) ficou muito mais tempo fora da trama e seu relacionamento com Michelle acabou não vingando; do núcleo que envolvia Anjo (Daniel Del Sarto) praticamente só sobrou seu Jurandir (Fábio Villa Verde); e Nair (Íris Bruzzi), avó de Anjo, reapareceu na trama envolvida no jogo do bicho mas acabou saindo da história sem mais ou menos. Bianca Byington, a delirante Ilana, foi outra que sofreu com um papel pequeno.

A reconstituição de época (figurinos, penteados, cenários, objetos cênicos…) foi perfeita e a trilha sonora, enxuta, privilegiou a ótima interpretação de Maurício Manieri em ‘I Just Wanna Stop’, tema de Carlão e Patrícia (Simone Spoladore). As participações especiais deram um fôlego a “Pecado Mortal”, com destaque para Bemvindo Sequeira (Tufik), Henri Pagnoncelli (Evaldo), Raul Gazolla (Valdo) e Raymundo de Souza (Perfume). Claudio Heinrich não convenceu como o trambiqueiro Paulo. E Juliana Didone esteve apagada como Maria Clara e Leila, apesar de ter conseguido transmitir as personalidades bem diferentes das gêmeas. 

palomaduarte

Dorotéia (Paloma Duarte)

“Pecado Mortal” teve ainda atuações excelentes de vários atores como Jussara Freire (Donana), Felipe Cardoso (Otávio), Luiz Guilherme (que emocionou nas cenas onde seu personagem começava a sofrer de Alzheimer), Simone Spoladore (alguém lembra que Bianca Rinaldi foi cotada para o papel?), Fernando Pavão, Paloma Duarte (Doroteia), Denise Del Vecchio (Das Dores) e, principalmente, Vitor Hugo (Picasso). Não se pode deixar de mencionar Lua Blanco (como a sofredora Silvinha), Sônia Lima (Norma Shirley), Daniela Galli (Catarina), Carla Cabral (Laura) e Mariah Rocha (Helena), além da novata Pietra Goa (Rafaela), e da experiente Tatyane Goulart (Lívia), em seu retorno à TV.

carlao

Carlão/Marco Antonio (Fernando Pavão)

A dupla Picasso-Carlão foi a responsável pelos melhores momentos da novela em uma eterna briga de cão e gato. O capítulo final foi surpreendente e remou contra aquele show de casamentos e bebês. Otávio dizimou a família de Doroteia só poupando a bicheira, mas acabou morto numa troca de tiros com Monet (Renato Liveira); Das Dores se aliou ao jogo do bicho; Patrícia abandonou a profissão de promotora e ajudou na fuga do marido, condenado a 12 anos de cadeia; Lívia assumiu os negócios da família; Pedro e Paulo mantiveram-se envolvidos no tráfico de drogas; Carlão abriu uma nova escolinha em uma ilha do Caribe; e Picasso, num show de atuação de Vitor Hugo, confessou sua paixão recolhida pelo ‘hippie’.

Por fim, o ‘irmão gêmeo’ de Carlão, criado na ilha (foi explicado que o barco que levava Michelle para o Brasil deu pane e ficou alguns dias ancorado no local), deu o tom de humor do capítulo final. “Pecado Mortal”foi uma brilhante produção que se agarrou em dois pilares: o ótimo texto e atuações marcantes. Deixa saudade.

Crítica também publicada no Portal Overtube

  • 31/05/2014
  • Administração

Veja mais

Deixe seu comentário

  • ROBERTO MARQUIS (THEOBALDO)

    OBRIGADO POR TER ME COLOCADO NO MEIO DOS MELHORES ATORES COMEDIANTES DO BRASIL, EU TIVE O PRAZER DE TRABALHAR COM MUITOS DELES,QUANDO OS PROGRAMAS ERAM FEITOS “AO VIVO” O HUMORISTA MOSTRAVA O VALOR DE CADA UM,PARABENS PELA PAGINA,UM ABRAÇO AFETUOSO DO ROBERTO MARQUIS(THEOBALDO)

    • Arthur Miranda

      Querido amigo e ex colega gostei de ve-lo lembrado aqui, Parabens.

  • Arthur Miranda

    Trabalhei, com quase todos eles, lamentavelmente não tive oportunidade de trabalhar com o Jó Soares e o Chico Anisio, Fiz o Sow Riso, e o Condominio da Alegria – Tv. Excelsior. Deu a Louca no Show, Agencia LIG-PAG- Tv.Tupi. Praça da Alegria e Bronco Total na Record. Programa Silvio Santos e Pça é nossa no SBT. i por dois anos entre 67 e 69 participei de todos os humoristicos da Tv. Bandeirantes canal 13.
    Cidade de Araque (programa inaugural da emissora) Sequencia das oitos, onde eu era o Zé do Colchão, etc. Por fim fiz o Aperte o Cinto na Tv Manchete. Meu nome não esta entre os comediantes paciencia não se pode lembra de tanta gente,Não é mesmo? Mas achei falta de dois nomes que não podem nem devem faltar nessa relação Ary Leite o saudoso criador do Saraiva e o querido e saudoso amigo, Murilo Amorim Correa, criador do Vitorio e do seu Jacinto, tipos famosos em todo território Nacional.

  • carlos alberto de souza

    Eu assisti o programa Condominio de Alegria com muitos bons artistas.Quem teria hoje este programa
    em fita vhs?
    Passe-me uma mensagem se tiver conseguido um programa
    ulissesetelemaco@hotmail.com

  • Silvio Oliveira

    Cara, parabéns pela página. Parabéns para esses magnificos humoristas que realmente sabiam nos fazer rir. e que agora me fazem chorar de saudades.
    Silvio Oliveira