Resumo dos capítulos de “Escrava Mãe” (11/11 a 18/11/2016)

Capítulo 118 – Sexta-feira, dia 11 de novembro

Juliana fala publicamente que errou e pede perdão à Maria Isabel. Esméria chega em casa com Tozé, mas não quer falar com ninguém. Catarina estranha e Tozé diz que ela ficou estranha depois que Almeida disse que Juliana sempre teve regalias na casa, que sempre manteve uma forte amizade com Teresa, algo que Esméria nunca teve, por mais fiel que ela fosse à Maria Isabel. E também porque viu os instrumentos de tortura. Juliana diz que fugiu porque não conseguiu segurar o amor que sente por Miguel. Maria Isabel fica nervosa. Juliana agradece Miguel por tudo o que fez por ela. Guilherme diz a Átila que o entende mas que o melhor a fazer é ele partir. Almeida fala que perdoa todos os erros de Juliana na frente de todos escravos. Almeida diz que irá melhorar a qualidade de vida dos escravos e que só irá castiga-los caso não se comportem. Almeida pede para soltar Maria Isabel e que Sapião leve Juliana para casa. Juliana e Maria Isabel são retiradas das correntes. Juliana é afastada de Miguel e entregue a Sapião que a leva de volta para casa. Almeida diz que Miguel não será castigado publicamente mas ficará detido aguardando julgamento. Almeida pede para Maria Isabel se acalmar e diz que Juliana terá um castigo que nunca se esquecerá. Rosalinda e Loreto namoram enquanto conversam. Uma carta cai do bolso do paletó de Loreto e Rosalinda pega. A carta diz que Ximena, esposa de Loreto, irá para a Vila. Rosalinda fica nervosa e Loreto assustado.  Osório diz a Miguel que ele será enforcado. Miguel fica assustado. Almeida se aproxima de Juliana com um ferro de marcar animais. Juliana fica apavorada e pede para não marcá-la. Almeida diz que como toda escrava está na hora dela agradar o seu senhor. Juliana entra em pânico. Beatrice vai conversar com Maria Isabel que chora compulsivamente. Depois enxuga as lágrimas e diz para a mãe que ela venceu e que mostrará isto aos escravos. Beatrice olha para Maria Isabel com pena. Rosalinda começa a atirar vasos e garrafas em Loreto e ele desvia de tudo, desesperado. Almeida se aproxima de Juliana e lhe dá um beijo bem próximo da boca e sai. Catarina conversa com Esméria e diz que a melhor coisa a fazer é superar seus traumas e que hoje é livre. Ela diz que quer ser admirada. Catarina olha para Esméria com orgulho. Átila bate na janela do quatro de Filipa. Bá Teixeira vê quando Filipa abre a janela e ajuda Átila a entrar. Filipa diz para ele ficar até o amanhecer, se beijam e caem na cama. No dia seguinte, Bá Teixeira entra no quarto e pede para Filipa ser rápida porque o pai está se aproximando.

 

Capítulo 119 – Segunda-feira, dia 14 de novembro

Nestor leva algo para Miguel comer. Miguel pede que Nestor o ajude a encontrar um doutor em leis para que seu julgamento não seja arbitrário. Nestor diz que Guilherme pode ajuda-lo e que vai procura-lo. Miguel pede que traga notícias de Juliana também.  Teresa vai conversar com Juliana e pedir desculpas pelo o que Maria Isabel fez. Ela pede para Juliana desistir do amor por Miguel e que irá pessoalmente falar com Almeida para garantir a segurança no engenho.  Maria Isabel fala furiosa com a mãe sobre a carta de alforria para Juliana. Beatrice fica tensa. Bá Teixeira peda para Átila fugir logo, mas não dá tempo dele sair pela janela e se esconde debaixo da cama. Quintiliano entra no quarto e pede para Bá Teixeira sair porque precisa conversar com a filha. Elas se olham assustadas e preocupadas. Nestor vai falar com Guilherme e diz que o destino de um homem está nas mãos dele. Rosalinda vai até a casa de Quintiliano para conversar. Tomás entra no quarto de Filipa e chama o pai para ir até a sala. Quintiliano sai do quarto e Átila de debaixo da cama. Tomás fica surpreso ao vê-lo mas Átila diz que explica tudo depois e vai embora pela janela. Tomás leva Filipa para a sala. Tia Joaquina, Tito Pardo, Sapião, demais escravos e Frei Abílio terminam de sepultar o amigo que morreu. Rosalinda fala para Quintiliano que Violeta é a mulher certa para Tomás e que quer saber o que a filha do sheik tem que Violeta não tem.  Violeta pede para Rosalinda ficar quieta e a arrasta para fora da casa. Gonzalina revela que o bolo que Urraca comeu quase inteiro foi preparado com esterco. Urraca fica enojada. Urraca pede que Nestor dê a sentença sobre a atitude de Gonzalina. Ele pede que Gonzalina fale o que aconteceu. Genésio volta para a casa de Quintiliano. Bá Teixeira diz que o senhor está com visita. Genésio volta pra senzala e abraça outros escravos. Neste momento Osório aparece e coloca a mão de Genésio em um toco. Maria Isabel vai falar com Juliana e a ameaça. Juliana pega uma faca que tem na mesa. Guilherme enfrenta Almeida e diz que vai defender Miguel. Almeida debocha de Guilherme por considera-lo incapaz. Maria Isabel e Juliana discutem. Juliana diz que Miguel não é mais marido de Maria Isabel. Maria Isabel fica nervosa e pede para juliana se calar caso contrário nem mesmo o comendador poderá salvá-la. Osório pega um machado e corta a mão de Genésio. Os escravos e Bá Teixeira correm para ajudar Genésio que grita de dor. Depois Bá Teixeira corre para contar a Quintiliano o que aconteceu e Osório vai atrás. Osório diz a Quintiliano, Filipa e Tomás que simplesmente fez seu trabalho. Nestor dá a sentença dizendo que promoverá Gonzalina à administradora do armazém e Urraca como simples balconista. Gonzalina sorri e Urraca fica pasma. Catarina diz que Esméria precisa aprender a ler e a escrever e que Átila poderá ajuda-la . Frei Abílio vai até a casa de Maria Isabel para avisá-la que o casamento foi feito sob coação e que neste caso pode ser anulado. Maria Isabel fica espantada.  Miguel e Guilherme conversam em particular. Quintiliano pede que um escravo vá até a vila chamar um barbeiro cirurgião. Genésio grita de dor e Filipa o ajuda. Maria Isabel, muito nervosa, expulsa frei Abílio de casa. Juliana diz a Sapião que ama Miguel e que precisa do carinho e cuidado dele sem rancor. Sapião compreende e a abraça sob o olhar de tia Joaquina. Beatrice pede que Maria Isabel se acalme. Juliana se aproxima vindo do quintal. Maria Isabel vai se aproximar dela e Teresa se coloca na frente. Maria Isabel pede para Teresa parar de defender a escrava e a empurra. Teresa cai e rola escada abaixo. Juliana e Beatrice ficam assustadas.

 

Capítulo 120 – Terça-feira, dia 15 de novembro

Teresa está caída no chão, sentindo dor. Juliana já corre e a ajuda. Filipa parece bastante nervosa diante de Quintiliano que pede ajuda para Genésio que sente muita dor. Almeida está espantado diante de Osório. Crisaldo entrega uma pasta com documentos a Almeida. Miguel está bastante surpreso diante do frei Abílio que contou à Maria Isabel sobre o divórcio. Maria Isabel fica furiosa e anda de um lado para o outro. Ela olha para a aliança em seu dedo, tira e joga longe, com ódio. Maria Isabel derruba algumas coisas que estão em cima da mesinha, furiosa. Teresa não deixa chamar dr. Pacheco com receio de que Almeida descubra e Juliana sugere chamar Irani. Tito Pardo chega até o armazém e pede que Irani socorra Teresa. Guilherme vai até a casa de Beatrice e pergunta o que está acontecendo. Beatrice chora e diz que Teresa não está bem e Guilherme se preocupa. Guilherme invade o quarto seguido por Beatrice. Filipa e Tomás observam Genésio desacordado, com o braço enrolado em panos. Bá Teixeira e outros escravos cuidam dele. Guilherme se compadece de Teresa e diz que se for o caso é melhor ir até uma cidade vizinha onde tenha mais recursos para cuidar dela. Guilherme diz que precisa voltar e que assumiu a defesa de Miguel. Teresa fica admirada e Juliana também. Filipa suspeita e revela a Tomás sua desconfiança de que Genésio possa ser seu irmão. Maria Isabel sugere que o escravo Guiné mate Juliana e promete que ninguém saberá do ocorrido. Almeida chega em casa e Teresa diz que caiu da escada. Almeida fica bravo e culpa Teresa de não se cuidar. Teresa diz que foi empurrada e Almeida deduz que foi Maria Isabel. Teresa pede que Almeida se acalme. Miguel na cela, sozinho, impaciente. Alguns instantes e ele já se levanta ao ver Maria Isabel chegar ali. Maria Isabel encara Miguel, com ódio.

 

Capítulo 121 – Quarta-feira, dia 16 de novembro

Maria Isabel está furiosa diante de Miguel que vai até a câmara para falar com ele e promete uma chance de tirá-lo da prisão caso volte atrás da anulação do casamento. Teresa grita de dor e coloca a mão na barriga, Beatrice se desespera e Irani muito assustada, dando chá para Teresa e Almeida entra, assustado. Petúnia confusa diante do pedido de Urraca para seduzir Almeida. Ela pede que coloque algo em sua bebida e o faça assinar um termo devolvendo o solar a Urraca. Rosalinda irritada, anda de um lado para outro com Petúnia e Urraca na pensão. Dr. Pacheco observa Genésio e Quintiliano se aproxima e o observa, contido, em silêncio. Maria Isabel invade a sala com os senhores e pede piedade a Miguel que foi iludido por uma escrava. Osório a questiona e pede que apelem ao frei que volte atrás da decisão da anulação. Teresa entra em prantos e Almeida a consola, sincero. Maria Isabel chega ao Engenho do Sol e se depara com Beatrice, que parece preocupada. Tito Pardo conversa com Juliana sobre o estado de saúde de Teresa e a acalma. Tito Pardo sai e alguns instantes Guiné entra com uma moringa na mão. Sem que Juliana veja, ele despeja um líquido na cuia dela. Almeida dá chá para Teresa beber, ela está mais calma e com menos dor. Emocionado, Almeida passa a mão na barriga de Teresa. Catarina procura Quintiliano desesperada sobre seu passado e constantes ameaças e é direta ao pedi-lo em casamento. Juliana está caída na senzala, com a moringa perto dela. Sapião chega, se aproxima dela. Sapião se espanta porque Juliana não responde. Maria Isabel entra, dissimulada e pergunta o que aconteceu. Chega o dia do julgamento de Miguel. Guilherme o orienta e diz já saber como agir para livrá-lo. Maria Isabel conversa com Sapião e Guiné entra e diz que fez tudo como combinado sem perceber que Sapião está ali. Sapião vai pra cima de Guiné. Beatrice tem uma espécie de surto e vai para o tanque só de camisola. Zé Leão, Tito Pardo e dr. Pacheco se aproximam e tentam tirá-la de lá antes que a vila inteira a veja naquela situação. Beatrice não aceita e diz que foi Custódio quem mandou eles até ela e joga água neles.

 

 

Capítulo 122 – Quinta-feira, dia 17 de novembro

Tia Joaquina e Sapião conversam sobre o fato de Juliana dormir tanto. Sapião mostra para tia Joaquina a moringa que estava ao lado de Juliana e que tem algumas ervas dentro que fazem dormir. Eles concluem que foi Maria Isabel que mandou o Guiné dar esta água para Juliana. Tozé e Rebeca estão preocupados por não encontrarem a carta de alforria. Felipa está revoltada com o que fizeram com Genésio e pede que Quintiliano tome uma atitude. Teresa diz para Irani que quer que seu filho venha ao mundo por suas mãos. Batem na porta e Maria Isabel entra querendo falar com Teresa. Beatrice está dentro da fonte e dr. Pacheco, Urraca e Zé Leão tentam de todas as formas tirá-la de lá. Ninguém consegue. Tito Pardo fala delicadamente com Beatrice e estende a mão para tirá-la da água. Beatrice o reconhece e sai da água tremendo de frio. Catarina e Quintiliano olham para Genésio que está deitado e desacordado. Catarina diz que um escravo sem mão é um custo para o senhor, mas Quintiliano diz que Genésio não é um escravo qualquer e terá o seu apoio. Miguel aguarda o julgamento. Filipa diz a Tomás que vai até a câmara tirar satisfação, mesmo sabendo que Miguel será julgado. Maria Isabel provoca Teresa dizendo que ela conseguiu virar o jogo. Maria Isabel diz que Almeida está com ela simplesmente por causa do filho que espera e que ele nunca se sentiu atraído por ela. Maria Teresa diz à Teresa que Almeida sempre a procura em busca dos encantos que a esposa não tem. Teresa fica em choque com o que escuta. Elas discutem. Almeida diz para dr. Pacheco atestar insanidade de Beatrice.  Dr. Pacheco concorda. Almeida sorri satisfeito. Quando  os escravos estão trabalhando no canavial, Sapião, furioso, diz a Guiné que ele tentou matar Juliana. Guiné e Sapião lutam. Juliana acorda e diz que precisa defender Miguel no julgamento. Irani e tia Joaquina pedem para ela se tranquilizar. Começa o julgamento com as presenças de Almeida, Guilherme, Osório, dr. Pacheco, Miguel,  o juiz de fora e outros senhores. Sapião tem a oportunidade de matar Guiné com um facão, mas desiste e ajuda Guiné a se levantar. Todos voltam a trabalhar no canavial. Almeida interrompe o julgamento de Miguel para dizer que tem uns documentos e pede que os soldados do capitão Osório busquem Catarina. Tomás fala ao pai que amanhã chegará a princesa filha do sheik para se casarem. Quintiliano diz que ficará honrado em recebe-la com o pai. Tomás fica confuso sem saber o que fazer. Filipa conversa com Charles para saber se existe alguma pista para provar que foi Almeida que mandou Osório matar o Barbudo. Charles diz que pode ser perigoso, mas Filipa diz decididamente que já sabe o que fazer. Juliana se encontra com Sapião e diz que vai ao julgamento para ser ouvida e tentar ajudar Miguel. Sapião a impede, mas Juliana se solta e sai correndo.  Almeida diz que Miguel e Juliana estavam fugindo no porão de um barco quando um homem flagrou a fuga. Guilherme sugere que este homem seja ouvido como testemunha e pede que algum soldado busque este homem na hospedaria. Assustado, Almeida pergunta a Guilherme como ele sabe que este homem está na hospedaria. Filipa e Charles estão na hospedaria em busca de provas quando ela encontra uma.  Almeida começa a contar a todos o que aconteceu na hospedaria e diz a Guilherme que a informação chegou até ele e que um dos criminosos fugiu e outro está em sua frente. Guilherme fica chocado. Catarina conta para Esméria que ganhou a liberdade mas o conde não registrou a alforria no cartório porque morreu antes. Neste momento, soldados batem na porta da casa de Catarina.  Teresa chama Maria Isabel de traidora e diz que ela seria capaz de eliminar qualquer pessoa que atrapalhe seus planos. Teresa chama Maria Isabel de assassina, que se assusta com o que ouve. Guilherme é levado para uma cela por Osório. Quintiliano aponta uma arma para Osório e pede para soltar Guilherme. Miguel diz que o julgamento foi uma armadilha. Almeida diz que Miguel deve ser condenado à morte. Juliana invade o local, corre para os braços de Miguel e diz que se matá-lo terão que matá-la também.

 

Capítulo 123 – Sexta-feira, dia 18 de novembro

Na câmara, Miguel está nervoso diante de Juliana. Almeida, dr. Pacheco, o juiz de fora e os senhores ao redor. Almeida sugere que Juliana e Miguel sejam afastados definitivamente. Teresa acusa Maria Isabel de ter se envolvido com Almeida para ter um filho e a acusa de ter matado tia Elza. As duas discutem arduamente e Teresa desfere um tapa no rosto de Maria Isabel. Quintiliano ameaça atirar em Osório para que solte Guilherme que foi acusado de ter matado o pirata Barbudo. Filipa chega sem deparar com Quintiliano, apontando uma arma na direção de Osório que rapidamente pega Filipa pelos cabelos. Loreto conversa com Ximena, Rosalinda chega e se enfurece ao ver a cena. Miguel tentam convencer Almeida a vender Juliana e propõe pagar mais que o valor da euforria. Beatrice é consolada por Tito Pardo e os dois se beijam. Após longa discussão, Osório liberta Guilherme da prisão. Almeida está pressionado diante de Juliana, Miguel e dr. Pacheco. Almeida diz que não vai vender Juliana e alega que Teresa precisa da escrava. Catarina é levada por soldados e está diante do juiz e os senhores.  Rebeca está com ela. Almeida, Osório e dr. Pacheco também estão presentes. Almeida entrega alguns documentos à Catarina, que se espanta com o que vê. Almeida diz que Catarina foi vendida a ele e a partir daquele momento, a condessa virava escrava dele. Catarina fica chocada. Esméria procura por Maria Isabel e lhe pede ajuda. Maria Isabel diz que quando ela mais precisou Esméria virou as costas. Esméria ameaça contar toda a verdade caso Maria Isabel não a ajude. Teresa vem de dentro e ouve a conversa e pede que Esméria conte toda a verdade. Catarina sai da câmara algemada e furiosa. Miguel e Juliana entram na sala e param diante do juiz,  dr. Pacheco e demais senhores. Almeida e Osório entram em seguida. Almeida diz que confia na justiça e enaltece que os senhores chegaram a um veredito. Dr. Pacheco diz que já tem a sentença e Juliana e Miguel imploram por clemência.

  • 11/11/2016
  • Administração

Veja mais

Deixe seu comentário